julho 15, 2024
15/07/2024

40 anos em 4: ciclo do atraso é quebrado com nova infraestrutura, em São Gonçalo

Telegram
Facebook
WhatsApp
Twitter

Foto: Projeto ‘Parque Urbano do Boa Vista’ compõe a revitalização da cidade

 

Secretária municipal de Gestão Integrada e Projetos Especiais revela volume da captação de recursos pela prefeitura de São Gonçalo. Estagnada e amargando os piores índices sociais e econômicos, momento atual dá a impressão de a cidade estar avançando décadas em pouco tempo

 

Por Patrick Guimarães

 

A obra da localidade conhecida como Ipuca, no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo, está entre os projetos contemplados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal. O projeto aprovado foi elaborado pela Secretaria Municipal de Gestão Integrada e Projetos Especiais (Semgipe), órgão da prefeitura de São Gonçalo responsável por identificar as demandas da cidade e criar projetos para receber recursos federais e estaduais. A quantidade de obras de infraestrutura que vem sendo realizada, simultaneamente, revela um trabalho de planejamento e execução ainda não presenciado na máquina pública em São Gonçalo. Desde 2020, o governo municipal conseguiu cerca de R$ 1 bi em captação de recursos para a realização de obras na cidade, segundo dados disponibilizados pela Semgipe.

“Para o município ter projetos contemplados pelos governos do estado e federal, ou até serem enquadrados em programas de outros países, é preciso capacidade técnica e comprometimento. Alguns projetos mais complexos demoram até mais de um ano para serem aprovados. São vários critérios adotados em diferentes etapas”, explica a secretária da Semgipe, Rafaela de Santana Ribeiro, ressaltando que a Semgipe já conseguiu captar algo em torno de R$ 1 bi, desde o início da atual gestão.

A criação da Semgipe foi uma exigência do prefeito Capitão Nelson. “Uma das grandes deficiências na gestão do município sempre foi a falta de projetos que cumprissem os critérios de aprovação para a captação de recursos relacionados a programas federais e estaduais. O prefeito sabia disso e tinha convicção sobre a importância de formar um núcleo em seu governo voltado para o planejamento e o desenvolvimento de projetos indispensáveis para o desenvolvimento da cidade”, revela Rafaela Ribeiro.

Capitão Nelson foi vereador por quatro mandatos em São Gonçalo, até se eleger deputado estadual e prefeito.

O primeiro a assumir a Semgipe, em sua criação, foi Douglas Ruas. Reconhecido, o trabalho na prefeitura de São Gonçalo lhe rendeu a eleição de deputado estadual, em 2022, cargo do qual está licenciado por ocupar o comando da Secretaria das Cidades do governo do estado.

Nos últimos três anos, os recursos captados pela Semgipe foram somados aos repasses oriundos da venda da Cedae e estão sendo aplicados massivamente em muitas obras de infraestrutura, além da reforma e criação de novas unidades hospitalares e de educação, projetos sobre mobilidade e trânsito, como o Mobilidade Urbana Verde Integrada (MUVI), que já está mudando a cara da cidade, entre outras ações.

Trecho 2 da obra do MUVI

A obra do MUVI está dividida em seis trechos. São eles:

Trecho 1: Neves – Porto Velho

Trecho 2: Porto Velho – Camarão

Trecho 3: Região Central

Trecho 4: Estrela do Norte – Trindade

Trecho 5: Trindade – Jardim Catarina

Trecho 6: Jardim Catarina – Guaxindiba

Muitos projetos ainda estão em processo de aprovação. Somente em projetos de arquitetura e urbanismo foram elaborados 150 projetos, entre executados e a serem executados, segundo dados da Semgipe.

“A cidade virou um grande canteiro de obras, basta andar por aí para constatar isso. Sou nascido e criado em São Gonçalo e não me lembro de ter vivido uma fase de tantas transformações significativas ocorrendo ao mesmo tempo na cidade”, afirma o comerciante Ademar José de Castro, 68 anos, morador do bairro Vila Lage.

Oportunismo ou falta de informação

Causou estranheza o discurso de um deputado federal do Rio de Janeiro que, ao lado do ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Alexandre Padilha, citou “R$ 250 milhões para as obras em Ipuca e investimentos em outras áreas”.

O parlamentar só se esqueceu de dizer que os recursos foram captados pela Semgipe, da prefeitura de São Gonçalo. Em um vídeo postado em suas redes sociais, o deputado federal se limita a comentar o direcionamento dos recursos federais para a cidade, dando a impressão de ter feito algo sobre o trâmite, porém não apresenta nenhum documento de comprovação que ligue tais recursos ao seu mandato.

Orçado em mais de R$ 400 milhões, o projeto em Ipuca, no Jardim Catarina, vai revitalizar toda a localidade, que até hoje era uma das mais desfavorecidas da cidade. As obras ali também vão compor parte de um grande projeto que tem a finalidade de reduzir os impactos dos alagamentos no município. Em Ipuca, o projeto será concluído em duas fases.

O projeto foi apresentado pela Semgipe, no ano passado, em um processo de seleção de um programa fruto de parceria entre os governos brasileiro e alemão. Devido às propostas de sustentabilidade, soluções baseadas na natureza e mitigação das emergências climáticas, o projeto da prefeitura de São Gonçalo foi selecionado no edital, referente a um convênio entre o Ministério das Cidades brasileiro e o governo alemão.

Bairro Jardim Alcântara passa por revitalização

Cidade passa por transformação

A equipe de reportagem buscou saber onde e como os recursos do município estão sendo utilizados. As apurações revelaram grandes projetos de aparelhamento no município, que vão desde as áreas urbanística, de saúde e educação, segurança pública, mobilidade urbana e culminam em uma série de obras estruturais em praticamente todos os bairros da cidade, inclusive aqueles que sempre estiveram completamente abandonados e serviam apenas como base (curral) eleitoral, num passado recente.

Tais intervenções não se restringem apenas à região central da cidade, como era de costume. Bairros periféricos e sem o mínimo de infraestrutura passaram a receber a atenção do governo. As realizações de agora se somam às perspectivas sobre o que o governo poderá fazer a mais se for continuado, e refletem a aprovação recorde da população sobre a gestão, que gira em torno de 70%.

Revitalização em praça do bairro Lagoinha, um dos muitos que estavam abandonados

A série de matérias, intituladas “40 anos em 4”, vai detalhar os projetos que estão sendo realizados, assim como parcerias em diferentes setores e os novos rumos elaborados pela Secretaria Municipal de Gestão Integrada e Projetos Especiais (Semgipe), que visam acabar com o atraso histórico na cidade e promover significativa melhoria na qualidade de vida dos gonçalenses.

Vinkmag ad
Telegram
Facebook
WhatsApp
Twitter